quinta-feira, 30 de junho de 2011

O Espírito Santo é derramado sobre os filhos de Deus

“Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis.” (Rom. 8:26). Pois o Espírito Santo, por intermédio das Escrituras, fala à mente, e imprime a verdade no coração dos homens.


O Espírito Santo origina toda oração genuína. Tenho aprendido a estar ciente de que em todas as minhas intercessões o Espírito intercede por mim e por todos os santos; mas as Suas intercessões estão de acordo com a vontade de Deus, nunca em oposição a ela. "O Espírito... nos assiste em nossa fraqueza" (Rom. 8:26 ); e o Espírito, sendo Deus, conhece a mente de Deus; por isso, em todas as nossas orações pelos doentes, ou por outras necessidades, deve-se acatar a vontade de Deus. "Por que qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito, que nele está? Assim, também as coisas de Deus, ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus." I Cor. 2:11.

Se somos ensinados por Deus, oraremos de acordo com Sua vontade revelada, e em submissão a Sua vontade que não conhecemos. Devemos fazer nossas súplicas de acordo com a vontade de Deus, confiando na preciosa Palavra e crendo que Cristo não somente deu a Si mesmo por Seus discípulos, mas também a eles. O relato declara: "Soprou sobre eles, e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo." (João 20:22.O Espírito Intercede por Nós)

É aquele que sonda os corações sabe qual é a mente do Espírito, porque segundo a vontade de Deus é que Ele intercede pelos santos. Rom. 8:27.

Só temos um meio de acesso a Deus, nossas orações, só podem chegar até ele através de um nome ; o do Senhor Jesus, nosso Advogado. Seu Espírito tem de inspirar nossas petições.

O Espírito Santo no íntimo precisa fazer intercessões por nós, com gemidos inexprimíveis. Profundo senso de nossa necessidade e grande desejo por aquilo que pedimos devem caracterizar nossas orações, pois do contrário elas não serão ouvidas. Mas não devemos ficar enfadados e deixar de fazer nossos pedidos porque a resposta não é obtida imediatamente.

O reino dos Céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele. " Mat. 11:12.” O esforço [ou a violência, nas versões mais antigas] de que aqui se fala é um santo fervor, como o que foi manifestado por Jacó. Não precisamos tentar agitar-nos, na procura de uma sensação intensa; mas devemos, com calma e persistentemente, elevar nossas petições ao trono da graça.

Nossa obra é humilhar a alma perante Deus, confessando os nossos pecados, e, com fé, aproximar-nos de Deus. O Senhor atendeu a oração de Daniel, não para que ele glorificasse a si mesmo, mas para que a bênção trouxesse glória a Deus. O objetivo de nossas orações deve ser a glória de Deus, não nossa própria glorificação.

“Quando vemos a nós mesmos como realmente somos: fracos, ignorantes e desamparados, comparecemos diante de Deus como humildes suplicantes. É o desconhecimento de Deus e de Cristo que torna as pessoas orgulhosas e virtuosas aos seus próprios olhos. A altivez de coração está sempre ligada ao desconhecimento de Deus.”


CHUVEIROS DE GRAÇA
“Pedi ao Senhor chuva no tempo das chuvas serôdias, ao Senhor, que faz as nuvens de chuva, dá aos homens aguaceiro e a cada um, erva no campo.” Zac. 10:1.
No Oriente, a chuva temporã cai no tempo da semeadura. Ela é necessária, para que a semente possa germinar. “Sob a influência dos fertilizantes aguaceiros, brota o tenro rebento. Caindo perto do fim da estação, a chuva serôdia amadurece o grão, e o prepara para a ceifa.” Joel, 2:23. O Senhor emprega essas operações da Natureza para representar a obra do Espírito Santo. Como o orvalho e a chuva são dados primeiro para fazer com que a semente germine, e então para amadurecer a colheita, assim é dado o Espírito Santo para levar avante, de uma etapa para outra, o processo de crescimento espiritual. O amadurecimento do grão representa a conclusão do trabalho da graça de Deus na alma. Pelo poder do Espírito Santo deve a imagem moral de Deus ser aperfeiçoada no caráter. Devemos ser completamente transformados à semelhança de Cristo. ...

Muitos têm, em grande parte, deixado de receber a chuva temporã. Não têm obtido todos os benefícios que Deus assim para eles tem provido. Esperam que as falhas sejam supridas pela chuva serôdia. Quando a maior abundância da graça estiver para ser outorgada, tencionam abrir o coração para recebê-la. Estão cometendo um erro terrível. A obra que Deus começou no coração humano mediante Sua luz e conhecimento deve estar continuamente avançando. Cada indivíduo deve estar cônscio de sua própria necessidade. O coração tem de ser esvaziado de toda contaminação, e purificado para habitação do Espírito Santo .

Foi pela confissão e pelo abandono do pecado, por meio de fervorosa oração e da entrega pessoal a Deus, que os primeiros discípulos se prepararam para o derramamento do Espírito Santo no dia de Pentecostes. O mesmo trabalho, só que em grau mais elevado, deve ser feito agora. Então o agente humano apenas teve de pedir a bênção e esperar que o Senhor aperfeiçoasse a obra a seu respeito. Foi Deus quem começou a obra, e ele terminará Sua obra, tornando o homem completo em Jesus Cristo. Mas não se deve negligenciar a graça representada pela chuva temporã. Somente os que estiverem vivendo de acordo com a luz que têm recebido poderão receber maior luz. A não ser que nos estejamos desenvolvendo diariamente na exemplificação das ativas virtudes cristãs, não reconheceremos as manifestações do Espírito Santo na chuva serôdia.
Tempo do Fim
Fonte:A Bíblia e a Ciência

Eu não sou cachorro não


Será que você se parece comigo? Responda apenas sim ou não para as perguntas abaixo. Seja sincero. Você peca sabendo que algo é errado, mesmo assim o faz e até se sente arrependido, mas não consegue abandonar isso nunca? Você com muita relutância e vergonha pede perdão a Deus, confessa aquilo que fez, e minutos depois erra novamente e na mesma coisa? Você luta com algo específico para mudar na sua vida e já cansou de "chutar o balde"? Ou pior, você sabe que Deus perdoa, certo? E Sua graça é infinita, certo? E por isso pensa conscientemente antes de pecar: "Bom, eu peco e depois peço perdão. Ele perdoa mesmo e o mundo nem está para acabar ainda." Perguntas estranhas?


(Se não tem estômago, não leia este parágrafo)

Imagine comigo um cachorro que acaba de vomitar aquilo que há de pior nele, o que o corpo rejeitou. Uma mistura de restos que encontrou em latas de lixo, pêlos e alguma carne apodrecida que comeu desavisado. Um líquido fétido, amarelado e nojento. Segundos depois o pobre cachorro começa a lamber seu próprio vômito, lambe com lambidas longas e se delicia com a mistura. Lambuza todo o rosto com o vômito e sorri com a linguinha de fora ainda respingando as últimas gotas do líquido. Fez cara feia ao imaginar? Então me diz qual a diferença entre nós e o pobre cachorro?


Pecamos consciente. Sabemos dos sentimentos terríveis que tal ação nos trará e mesmo assim o fazemos com "linguinha de fora". Desejamos o que não presta e nos deliciamos naquilo que há de pior em nós.


"Se alguém nunca conheceu o caminho reto, não pode ser condenado por não segui-lo. Se nunca ouviu a verdade, se nunca ouviu a mensagem de Cristo, não pode ser condenado por não aceitá-Lo e obedecê-Lo. Mas se O conheceu e, deliberadamente, toma o caminho oposto, peca contra a luz; conheceu o melhor e escolheu o pior; peca em pleno conhecimento do que está fazendo. E se isto é assim, teria sido melhor que nunca tivesse conhecido a verdade porque este conhecimento lhe serve de condenação. Ninguém deveria esquecer a responsabilidade que lhe impõe o conhecimento." Dwight Lyman Moody


E o que é que você já sabe?


"Como o cão torna ao seu vômito, assim o tolo repete a sua estupidez."
Provérbios 26:11
Felipe Tonasso

Ou se É o que se É, ou não há o que Ser


Li hoje no Facebook algo curiosíssimo: “‎Ninguém é tão feio como na identidade, tão bonito como no Orkut, tão feliz quanto no Facebook, tão simpático como no Twitter, tão ausente como no skype, tão ocupado como no MSN e nem tão bom quanto no Curriculum Vitae”.
Queria lhe fazer uma perguntar: você entende algo sobre falsificação? Se visse um Van Gogh, poderia afirmar: parece; mas não é! E uma bolsa Luiz Viton? Teria condições de dizer se é original ou falsa? Um Rolex? É verdadeiro ou paraguaio?

A falsificação já foi considerada uma arte. É bem verdade que era utilizada por ladrões, mas, ainda assim, tornava-se imperativo reconhecer o talento do criminoso. Hoje a falsificação é uma indústria que gera perdas na economia mundial da ordem de 800 bilhões de dólares. Só no Brasil, somando-se apenas as indústrias fonográfica, cinematográfica e de programas de computador, a cifra chega a um bilhão de dólares anuais.

Por outro lado, a falsificação não está restrita aos bens de consumo. Já dizia Justiniano que ela “nada mais é do que a imitação da verdade”. Nos dias em que vivemos, é comum encontrá-la não só em coisas, mas, sobretudo, nas pessoas. E é este tipo de símile da realidade que é extremamente danosa, pois nada mais é do que uma adulteração, cada vez mais comum, de valores e conteúdos que deveriam construir o ser e que, invariavelmente, revelariam não só quem nós somos, mas, sobretudo, como e baseados em que vivemos.

Fato é que a sociedade contemporânea esta calcada sob a cultura da imagem: gente mais preocupada em parecer ser do que em ser de verdade. Kierkegaard com propriedade afirmou que “a vida é um baile de máscaras”, e essas máscaras tornam-se “escudos” atrás dos quais almas se escondem de si mesmas, e não apenas faces. Hoje, ser socialmente aceito ou parecer politicamente correto pode, em muitas situações, exigir de nós posicionamentos que, na verdade, abominamos ou rechaçamos. Todavia, para ficarmos bem na foto. (...)

Mas o pior tipo de estelionato, convenhamos, é aquele ligado ao ser religioso. Sobre isto, bem conceituou Nietzsche: “O disfarce sob o manto da religião e da transfiguração através da moral são metamorfoses da escravatura”. Foi por isso que João escreveu que, conhecer a verdade liberta, mas, digo eu, se amasiar com a religião, escraviza.

Creia-me, não há coisa mais danosa a alma humana do que alguém que se tornou um simulacro eclesiástico, que abraçou uma espiritualidade performática, que pincelou um verniz de santidade na consciência, que viciou-se na hermenêutica que exuma letras mortas, mas recusa-se a trazer a vida à palavra que liberta, alguém que tem no olhar a impregnação do juízo e nas atitudes o proceder calcado na intolerância.

A figueira sem fruto, do texto de Marcos, bem nos revela este cenário. Ela nada mais era do que um arquétipo que apontava para o que acontecia com o povo de Israel. Era a religião das folhagens, das aparências, dos ritos, dos mitos, mas onde não se encontravam frutos. Jesus discerniu naquela geração o embuste, a mentira, a falsidade, o culto a aparência, o disfarce tentando travestir-se de verdade. Por isso a árvore foi amaldiçoada, pois para Deus ou se é o que se é ou não se é coisa alguma. O ser só torna-se ser quando se assume como verdade-existente. Evadir-se disto é tornar-se não-ser...

Como é difícil, mas desejo ardentemente fugir da falsificação. Tenho pavor da dissimulação, da representação, da mediocridade, dos que não são e nunca serão, pois existem como desmonte existencial, estão travestidos com as vestes da mentira, habitados por um espírito falsário, seu interior é como labirinto de trevas, masmorra que perpassa medo e solidão.

Se pudesse pedir algo a Deus, de todo o coração, gostaria de terminar os meus dias expressando o que disse o Luiz Fernando Veríssimo: “Eu sou hoje a melhor versão de mim mesmo”. E isso afirmaria na certeza de não ter tido qualquer mérito na construção de nada, em absoluto, mas a clareza de que tudo se fez em mim pelo poder da cruz e pela misericórdia que se derramou como orvalho em meu ser, através da preciosa e incomparável graça de Deus.



ZERO (curta-metragem)



Literalmente um zero à esquerda, o protagonista dessa fantástica animação, Zero, vive solitário e oprimido num mundo segregado por um sistema de classes numéricas, até encontrar um "zero fêmea" que o faz acreditar novamente que alguém sendo nada possa ser alguma coisa.

Técnicamente impecável, possuindo um roteiro criativo com uma linguagem extremamente simbólica, fazendo com que as legendas sejam dispensáveis na maior parte do tempo, esse belíssimo curta de animação em stop-motion trata de temas tão delicados como preconceito, intolerância e bulling sem deixar de ser, de certa forma, inocente e poético.

Dirigido e produzido por Christopher Kezelos.

Adultério Virtual - Um breve estudo

 
Este estudo rápido visa proporcionar uma noção sobre o adultério, principalmente em sua nova abrangência, que surgiu com a popularização da internet, virtual.

Serão apresentadas as diversas análises, partindo da jurídica, passando pela do senso popular e por fim a bíblica.

Autor: Adolfino Ramos Aquino



Assista esta reportagem do BOL, que foi para as ruas de São Paulo descobrir qual a opinião das pessoas sobre traição virtual.

 
Fonte:Megaphone Adv

Falhas na Comunicação

Com certeza você já deve ter vivido uma experiência em que houve falha na comunicação! Quando criança, costumava brincar de “telefone sem fio”. Nessa brincadeira, a mensagem é transmitida de uma pessoa para outra, e quando chega ao final, geralmente já está distorcida.
Às vezes vamos ao restaurante, pedimos algo, e o pedido vem errado. É comum que conversas na internet sofram falhas também. Aquilo que lemos não é, necessariamente, o que a outra pessoa escreveu, já que o tom que damos à leitura nem sempre é o tom que a pessoa usou ao escrever.
Infelizmente, a nossa comunicação com Deus não está livre dessas falhas. Não que Deus tenha dificuldade de compreender o que realmente estamos dizendo. Na verdade, nós é que não conseguimos entender, muitas vezes, o que Ele está nos falando.
Existem vários motivos para essa distorção na comunicação com Deus. Talvez o principal motivo seja o fato de que nossa mente está, muitas vezes, despreparada para ouvir a voz de Deus com clareza. O alimento que fornecemos para a nossa mente muitas vezes provoca ruídos nessa comunicação. Aqui, chamo de alimento tanto aquilo que comemos para nutrir nosso corpo (inclusive o cérebro) como aquilo que nossa mente absorve através dos órgãos do sentido (o que vejo, o que ouço, etc..).
Veja o que Ellen White escreveu sobre a alimentação no sábado, por exemplo: “Não devemos preparar para o sábado mais liberal provisão de alimento, nem maior variedade que nos outros dias. Em lugar disto, a comida deve ser mais simples, e menos se deve comer, a fim de a mente estar mais clara e vigorosa para compreender as coisas espirituais. Um estômago abarrotado quer dizer um cérebro pesado. As mais preciosas palavras podem ser ouvidas e não apreciadas devido à mente estar confusa por uma alimentação imprópria. Comendo demais no sábado, muita gente faz mais do que julga para se tornar incapaz de receber o benefício de suas sagradas oportunidades.” A Ciência do Bom Viver, pág. 307.
Deus se comunica conosco através de nosso cérebro. Precisamos ter mente e cérebro saudáveis, para entendermos com clareza Sua mensagem. “Os nervos cerebrais que se comunicam com todo o organismo, são os únicos meios pelos quais o Céu se pode comunicar com o homem, e influenciar sua vida mais íntima. Seja o que for que perturbe a circulação das correntes elétricas no sistema nervoso, diminui a resistência das forças vitais, e o resultado é um amortecimento das sensibilidades da mente. Em atenção a isto, como é importante que pastores e povo que professam piedade se apresentem limpos e imaculados quanto a este vício degradante da alma!” Conselhos sobre Saúde, p. 616.
Como temos cuidado de nossa mente e de nosso cérebro? Será que temos compreendidos corretamente o que Deus nos tem falado? Hoje é o dia de ouvirmos a voz de Deus, e não endurecermos o nosso coração! Preparemos nossa mente para esta divina comunicação!

Fonte: A Mulher Adventista

WikiLeaks revela preocupação do Vaticano com o crescimento de evangélicos

Documento obtido pelo WikiLeaks e divulgado nesta quarta-feira (29) mostra que, na época da visita do papa Bento 16 ao Brasil, em 2007, o Vaticano estava preocupado com o crescimento dos evangélicos no país e recebeu críticas do monsenhor brasileiro Stefano Migliorelli, que questionou a entidade sobre a falta de padres na América Latina.

O telegrama enviado a Washington em 6 de maio de 2007 relata conversas entre diversos membros do Vaticano e o ex-embaixador americano Francis Rooney, um empresário republicano do ramo de construção e um dos maiores doadores de campanha do ex-presidente americano George W Bush.
O diplomata americano faz um comparativo entre a primeira viagem de João Paulo 2º ao Brasil em 1980, quando os católicos representavam 89% da população e o Censo de 2000, quando o número de católicos era de 74%.
“A cada ano, milhões de católicos latino-americanos deixam suas igrejas para se juntar a congregações evangélicas incentivados pelos pastores destes novos rebanhos”, disse Rooney.

Ainda segundo ele, de acordo com uma análise, enquanto a Igreja Católica concentra-se em “salvar almas”, muitas igrejas evangélicas fazem o possível apenas para matar a sede latino-americana para o misticismo.

Sem revelar fontes, o documento diz que João Paulo 2º descreveu as atividades evangélicas como “sinistras” e que uma das principais tarefas de Bento 16 seria despertar a comunidade católica e encorajar a resistência ao que o papa anterior teria chamado de “caçada por seitas”.

Já Migliorelli, na época chefe da seção brasileira da Secretaria de Estado do Vaticano, reclamou ao diplomata americano sobre o fato de a América Latina não ser uma região prioritária para a Igreja Católica.
 
Para Migliorelli, o Brasil e a América Latina seriam como “território de missão” --terras que não foram expostas “de maneira consistente” à fé católica. “Temos que ver isso como uma evangelização --começando do zero”, disse Migliorelli.

O monsenhor ainda criticou a quantidade e a qualidade do clero latino-americano.

“A falta de padres em grande parte da América Latina é muito pior do que nos Estados Unidos”, disse. Migliorelli disse também que “o nível de educação dos padres é muito baixo e que muitas vezes eles não aderem aos padrões de disciplina clerical (celibato, ofertas de sacramentos etc)”.

Em um tópico chamado de “A ameaça da teologia da libertação”, o diplomata americano comenta que o papa João Paulo 2º teria feito grandes esforços para acabar com “esta análise marxista da luta de classes” promovida “por um número significativo de clérigos e católicos leigos que, por vezes, em nome de um compromisso político sancionou a violência em nome do povo”.
Migliorelli comentou que o Vaticano não pretendia tocar no tema durante a visita do papa. O documento prossegue: “A chave é simplesmente que o clero seja treinado mais efetivamente para explicar a posição da Igreja para o povo, ele concluiu”.

Segundo o diplomata, João Paulo 2º combateu com a ajuda de Bento 16 a teologia da libertação mas, nos últimos anos, ela estaria ressurgindo em várias partes da América Latina.

Nota: Se os evangélicos de modo geral causam preocupação ao Vaticano, imagine o ódio que esta Besta tem do remanescente, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus.

Memorando de Deus - Assunto: Plano de Salvação


DE: Deus
PARA: Stephen
ASSUNTO: Plano de Salvação Universal

Chegou ao meu conhecimento que algumas vezes, em momentos de fraqueza, você se pergunta se poderia ter havido alguma outra forma de salvação que não seja através de Jesus Cristo, talvez algo menos exclusivo e menos “duro”, você poderia dizer. À luz dessas “dificuldades”, gostaria de te convidar a me apresentar seu próprio plano de salvação. Isto lhe dará a oportunidade de me dizer como você faria as coisas se fosse Deus.

Por favor, certifique-se que o seu plano de salvação inclua todos os itens.

Qualquer coisa a menos e será considerado insuficiente.

1) Satisfação da minha infinita justiça. Seu plano de salvação deve incluir uma maneira de satisfazer a minha infinita justiça e retidão. Certifique-se de que a minha justiça é satisfeita por todos os bilhões de pecados cometidos pela humanidade, tais como o holocausto, o estupro, o assassinato, genocídio e tráfico sexual, bem como todos os bilhões de pecados “menores” cometidos pelo homem, como xingamentos, murmurações, preocupações e materialismo. Seu plano de salvação deve incluir o pagamento integral e expiação por todos esses atos perversos.

2) Satisfação do meu amor infinito. Além de satisfazer a minha justiça, o seu plano de salvação deve incluir uma maneira de satisfazer o meu amor infinito. Mesmo que cada homem e mulher tenha se envolvido em uma grande guerra contra mim, eu os amo com um amor mais profundo do que você jamais poderia imaginar. Seu plano de salvação deve abranger as profundezas do meu amor e demonstrar ao mundo que eu os amo muito.

3) A ruína de todos os males. Caso você não tenha notado, o mundo que eu fiz foi seriamente bagunçado, e você e seus companheiros humanos são os responsáveis. Você pode não ser capaz de ouvir, mas a criação está gemendo agora à espera de redenção. É melhor que seu plano de salvação inclua uma forma de satisfazer os gemidos da criação e de desfazer todo o mal que foi desencadeado no mundo. Você deve reparar os relacionamentos destruídos, trazendo harmonia entre a criação e a humanidade, e, finalmente, restabelecer as coisas do jeito que eu inicialmente previ.

4) A transformação dos pecadores. Por favor, certifique-se que seu plano de salvação inclua uma maneira de fazer com que pessoas que me odeiam se transformem instantaneamente em pessoas que me amam. Assegure-se de que essa transformação ocorra além de quaisquer coisas que eles possam fazer.

5) A mistura do sagrado e do profano. Seu plano de salvação deve incluir uma maneira de reunir o incrivelmente sagrado (EU!) e o incrivelmente profano (VOCÊ!). Quando outros tentaram isso no passado, as coisas não ocorreram muito bem. Lembra-se de Nadabe e Abiú? Você precisa fazer melhor do que eles ou vai acabar sendo consumido pelo fogo sagrado.

6) A preservação da minha glória. Isto é crucialmente importante. Em todos os elementos do seu plano de salvação, devo receber toda a glória. Os seres humanos não podem obter uma gota de glória ou de crédito na salvação. Se o fizerem, a coisa toda está acabada. Porque eu sou Deus, eu recebo a glória.

Fui claro?

Os seres humanos não podem obter uma gota de glória ou de crédito na salvação. Se o fizerem, a coisa toda está acabada. Estes são os primeiros seis requisitos do plano de salvação. Depois de ter apresentado um plano que atenda adequadamente todos estes requisitos, vou enviar-lhe os seis seguintes, e assim por diante. Por favor envie o seu plano até a próxima sexta-feira. Estou ansioso para ver a solução proposta.

DE: Stephen
PARA: Deus
ASSUNTO: Plano de Salvação Universal

Agora vou calar minha boca. 

Stephen Altrogge -
The Blazing Center (Tradução: Josie Lima - iPródigo)

Arqueólogos acham ossuário da neta de Caifás


Uma notícia cai como uma bomba sobre aqueles que ainda insistem em questionar a historicidade de Jesus Cristo e dos escritos neotestamentários. É que arqueólogos israelenses anunciaram ontem que foi confirmada a autenticidade de um ossuário de 2.000 anos de idade, que pertence a uma filha da família de Caifás, o sumo sacerdote que presidia o Sinédrio (uma espécie de "supremo conselho" dos judeus da época) durante o julgamento de Jesus, segundo relatam os evangelhos de Mateus e João, e o livro de Atos dos Apóstolos.

A relíquia chegou às mãos da Autoridade de Antiguidades de Israel há cerca de 3 anos, recuperada das mãos de ladrões de tumbas antigas, e só agora os pesquisadores das Universidades de Tel Aviv e de Bar Ilan chegaram a um veredito final sobre a identidade da pessoa que foi enterrada no ossuário, em cuja parte externa aparece gravado em aramaico - a língua corrente dos tempos de Jesus - a inscrição "Miriam, filha de Yeshua, filho de Caifás, sacerdote de Maaziah da Casa de Imri". Tanto a sucessão genealógica como sacerdotal foram decisivas nessa identificação.

Os investigadores ainda traçaram a origem da caixa de ossos como sendo proveniente de uma cova funerária do Vale de Elá, nas antigas planícies da Judeia, a cerca de 30km a sudoeste de Jerusalém. Este formato de caixa para sepultamento dos ossos era muito comum nos rituais judaicos dos dois primeiros séculos da era cristã. No caso do ossuário de Miriam, neta de Caifás, a sua parte frontal está decorada com motivos florais. Quanto à palavra "Maaziah" ou "Maaziahu", ela representa o último elo da linhagem dos 24 sumos sacerdotes que serviram no Templo de Jerusalém, destruído pelos romanos no ano 70 d.C., e - apesar de ser referido várias vezes no Novo Testamento - é a primeira vez que o nome Caifás é confirmado por uma descoberta arqueológica deste nível.

A demora na sua confirmação foi devida ao fato de que, como não havia sido um achado normal e documentado, foram necessários estudos exaustivos que determinassem tanto a autenticidade do ossuário como de sua inscrição.

Fontes:
The Huffington Post e Terra Perú

Pesquisa revela o perfil do jovem brasileiro

 

Clique na imagem para fazer download da pesquisa "O Sonho Brasileiro"
Considerada uma das maiores pesquisas realizadas a respeito do perfil dos jovens brasileiros, "O sonho brasileiro" foi divulgado esse mês, e seus dados já podem até ser usados como estudo base para uma nova estratégia evangelística a fim de alcançar os jovens brasileiros.

Produzida pela agencia Box 1824, foram entrevistados em todo o país, 1784 jovens, com idade entre 18 a 24 anos, os quais colaboraram com respostas sobre temas como; economia, política, educação, família, trabalho e religião.

A pesquisa partiu de um questionamento muito simples "Qual o seu maior sonho?"

Para essa pergunta a pesquisa apontou que entre os jovens pesquisados brasileiros, apenas 6% tem o sonho relacionado à família. A maioria (55%) respondeu o sonho como formação profissional e emprego, 15%, a casa própria, 9%, dinheiro e 3%, carro.

Apesar de ser apenas uma amostra entre os milhões de jovens no país, a porcentagem de mais de 90% que não estão sonhando com a família, pode ser preocupante. Essas informações colocam os brasileiros, diante de uma crise no meio dos jovens, uma vez que a família é um projeto divino feito antes da fundação do mundo.

Ainda falando sobre a família, "O sonho brasileiro" mostrou que para muitos jovens o modelo patriarcal de família não é mais a única referência.

Na área de religião "O Sonho brasileiro" concluiu entre os jovens brasileiros que, 77% dos jovens afirmam que se sentem livres para experimentar diversas religiões, 68% dos jovens afirmam que as igrejas deveriam ser mais flexíveis, 31% afirmam que misturam elementos de diferentes religiões para construir a sua própria crença.

Os resultados mostram que muitos jovens buscam, acima de tudo, o desejo de se aproximar de suas “crenças mais essenciais e do encontro de sua própria espiritualidade”, e também criar o seu próprio sincretismo. “Espiritualidade não necessita de vertentes, significados e compromissos. Apenas uma simples crença em algo superior ou algo além do que se vive em nosso plano”.

Quase a metade, 43%, entretanto, afirmou ter religião e ser praticante, 36% ter religião e não ser praticante. Dos respondentes, 17% afirmam ter uma espiritualidade e acreditar em algo superior, mas sem religião e 4% dos jovens brasileiros afirmam ser ateus.

Isso pode refletir jovens com valores relacionados ao cristianismo. O Brasil possui a maior população católica e um protestantismo crescente, mas muitos não são praticantes. "Tenho um conceito próprio baseado no cristianismo e em fatos da minha vida".

Assim, com uma margem de erro da pesquisa de apenas 2%, a pequena amostra parece revelar que quando o assunto é religião, os jovens estão um pouco distantes de serem identificados com valores e princípios de um Cristianismo autêntico.

Brasil começa a implantar RG com chip no mês que vem

 
 
O RG biométrico, com chip, já começa a ser implementado no Brasil em julho. Neste ano, 2 milhões de brasileiros em Brasília, Rio de Janeiro e Salvador serão os primeiros a ter o novo cartão de identidade (denominado RIC), em fase de testes.
A convocação dos selecionados para trocar a antiga cédula de identidade começou em janeiro e a escolha foi aleatória, segundo o Ministério da Justiça. No primeiro semestre, parte dos eleitores brasileiros também já foi cadastrada para permitir uma mudança para o cartão biométrico no título de eleitor.
Nessa primeira fase, todo o custo será bancado pelo governo - o documento biométrico pode custar até R$ 40 e as formas de pagamento ainda não estão definidas (hoje alguns Estados cobram pelo atual RG). Procurada ontem para comentar o assunto, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou que ainda não há uma data certa para o Estado integrar o projeto. Ainda deverá ser lançado um processo licitatório (sem data definida).
A mudança no documento deverá atingir, até 2019, 150 milhões de brasileiros. A tecnologia foi contratada de uma empresa suíça, a Covadis, com sede em Genebra, que também trabalha na instalação em outros países do mundo. Para seu executivo-chefe, Marcelo Correa, as alterações no sistema de identificação brasileiro “serão um teste importante” para a nova tecnologia. Para ele, a grande vantagem do novo formato é a proteção dos dados dos cidadãos, além da redução do risco de fraudes, com o roubo de documentos.
O cartão promete diminuir a quantidade de cópias de documentos que cada cidadão terá de fazer, cada vez que for obrigado a se apresentar a um serviço público. Ele trará um chip com dados da pessoa, informações biométricas e sua impressão digital. Para garantir a proteção dos dados, a Casa da Moeda ficará responsável pelo armazenamento das informações contidas em cada um dos cartões. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
 
Fonte A Grande Controvérsia

quarta-feira, 29 de junho de 2011

A destruição do casamento

Dados do Departamento de Censo mostram que os casados, pela primeira vez na história, representam menos das metades dos lares norte-americanos. A clássica família, com mamãe, papai e as crianças sob o mesmo teto está desaparecendo. Em todos os estados, o numero de companheiros não casados, casais sem filhos e pessoas solteiras cresce numa velocidade muito superior à dos casais com filhos, diz o censo de 2010. Casais com filhos representavam 43% dos lares no país, em 1950; eles agora representam apenas 20%. E essa tendência demonstra uma potente dimensão de classes. Casamentos tradicionais evoluíram de um rito quase universal para um luxo restrito aos educados e poderosos. Quase não havia diferença em 1960: apenas quatro pontos percentuais separavam os casados universitários dos formandos escolares. Essa diferença aumentou para 16%, de acordo com o Pew Research Centre. Uma analise do Departamento do Censo, lançada na última primavera, mostrou que as noivas estão muito mais propensas a terem um diploma universitário do que na metade dos anos 1990.

“O casamento se tornou muito mais seletivo, e é por isso que o índice de divórcios baixou”, diz Bradford Wilcox, diretor do Projeto Nacional de Casamentos na Universidade da Virgínia, em Charlottesville. O projeto descobriu que os índices de divórcio entre casais com diplomas universitários são apenas um terço maiores que entre aqueles apenas com diplomas escolares.

Norte-americanos com diplomas escolares ou menos (que representam 58% da população) disseram aos pesquisadores que gostariam de se casar, mas não têm condições financeiras para isso. Ao invés disso, eles têm filhos fora do casamento. Apenas 6% das crianças nascidas de mães com diplomas universitários nasceram fora do casamento. Entre as mães apenas com diploma escolar, esse índice é de 44%.

“Menos casamento significa menos renda e mais pobreza”, afirma Isabel Sawhill, da Brooking Institution. Ela e outros pesquisadores associaram a desigualdade na renda no país às mudanças na composição familiar: pais solteiros (quase sempre sem diploma universitário) estão se tornando mais pobres, enquanto casados (com educação e dupla renda) estão prosperando. “Essa é uma grande diferença que não é compreendida pelo público”, diz.
Não espere, no entanto, que o Partido Democrata aborde essa questão nas eleições do ano que vem. Mulheres solteiras votaram massivamente em Barack Obama. “Você não sugere a uma mãe solteira que se case”, diz Sawhill. “Seria denegrir seu estilo de vida.”

(Opinião e Notícia)

Nota: O inimigo de Deus continua firme em sua campanha de destruição de tudo o que o Criador estabeleceu como mais sagrado desde o Éden. Duas instituições, especialmente, são alvo de Satanás: o casamento e o sábado, ambas criadas por Deus no princípio deste mundo para nossa felicidade. Com o darwinismo (e, por favor, entenda bem: não estou dizendo aqui que os darwinistas são “do mal”), foi possível destruir a ideia da criação especial do ser humano e rebaixá-lo à categoria de simples “animal racional” – nada de imagem e semelhança de Deus. Além disso, o
sábado do sétimo dia, o memorial da Criação, perde todo o sentido se a Criação não ocorreu como narra a Bíblia e como ratificou Jesus em Seus ensinamentos. Para aqueles que continuam crendo em Deus, o inimigo mesmo assim deu um jeito de substituir o sábado (santificado e abençoado no Éden) por um dia comum, usado, na verdade, para a adoração pagã do Sol: o domingo. Com respeito ao casamento, note o paradoxo: os heterossexuais ou querem se separar ou querem se unir sem casar; enquanto isso, os homossexuais lutam pelo direito de “casar”. Casamento é e sempre será a união entre um homem e uma mulher, sob as bênçãos de Deus. Qualquer coisa diferente disso é distorção do plano do Criador e serve bem aos propósitos daquele que começou a rebelião contra Deus.
Fonte:O Criacionismo

PAPA SAÚDA DELEGAÇÃO ORTOXA: NOVOS ESFORÇOS ECUMÊNICOS




Na solenidade de São Pedro e São Paulo, o Papa Bento XVI saudou a presença de um grupo em especial. Tratava-se da delegação enviada à Roma por Bartolomeu I, patriarca de Constantinopla. A interação entre o papa e o líder máximo da igreja Ortoxa recebeu destaque no NewsVa., canal de notícias do Vaticano divulgado pelo papa, ao usar o microblog twitter pela primeira vez.

Como Bento XVI fez questão de salientar, “sua participação [da delegação] nesta [ocasião], nosso dia de festa, como a presença de nossos representantes em Istambul para a Festa de Santo André, expressa a verdadeira amizade e irmandade que une a Igreja de Roma e o Patriarcado Ecumênico, sendo que ambos são baseados na fé recebida do testemunho dos apóstolos.”

O NewsVa. ainda recapitula a história desta aproximação entre Roma e Istambul, a qual remonta ao concílio Vaticano Segundo. A partir de então, cada denominação tem enviado delegações às festas religiosas da outra.

O que não deixa de despertar a curiosidade é que Ratzinger reconhecesse a legitimidade da herança apostólica da igreja Ortodoxa. Durante séculos, desde o cisma em 1054, as acusações mútuas eram comuns. A Igreja Católica Apostólica Romana, por exemplo, não cansou de acusar o patriarcado de heresia, enquanto reivindicava que o papa era a única cabeça da igreja universal de Cristo.

Agora, o quadro mudou. Bento XVI tem um alvo: o Dia Mundial da Reflexão. Este evento, marcado para o próximo 27 de Outubro, é definido como um momento de “diálogo e oração pela paz e justiça no mundo”. Claramente, o pontífice respira ecumenismo!

Fiquemos alertas aos próximos passos de Bento XVI. Os eventos finais estão acontecendo bem diante de nós – como reagiremos a eles? Queira Deus que, pela fé, permaneçamos em pé!
Fonte: Questão de Confiança

Amuletos e Superstições

Dia desses, vi um carro que tinha uma Bíblia aberta em cima do painel. O carro certamente sofreu um acidente, pois estava amassado.
Não pude deixar de observar que a presença de uma Bíblia ali não tinha adiantado de nada. Mas, alguém que crê em superstições logo diria que o carro estava amassado porque a Bíblia não estava aberta no salmo 91.
Hoje, quanta gente tem transferido a sua confiança e tranqüilidade para amuletos e superstições? Nesse sentido, há uma caixa de ferramentas e práticas bem sortidas: a ferradura, que tem de ser com sete furos; pé de coelho; figa; o hábito de não passar por baixo de escada.
Quebrar um espelho ou cruzar com gato preto, então, dá sete anos de azar. Já para espantar os maus espíritos ou repelir mau olhado existe a carranca, muito usada naqueles barcos do rio São Francisco. Ela também deve ser colocada na entrada do local a ser protegido.
No meio evangélico, muitos tratam pejorativamente essas crendices, mas nós, crentes, também temos nossos amuletos e superstições: copo de água ou lenço que podem receber a bênção da oração de algum “sacerdote”; jejum, para dobrar a vontade de Deus.
Vale até adesivo no carro com versículo bíblico ou com alguma frase de “poder”, o que, na prática, tem o mesmo efeito da carranca.
Talvez, alguém possa me tratar com descaso, afirmando que estou esquecendo o significado simbólico e o imaginário que está por trás desses rituais e objetos religiosos; mas, neste momento, estou preocupado não com o que tudo isso significa para o indivíduo, mas o seu significado teológico e bíblico.
Na verdade, queremos um Deus que funcione segundo nossa vontade, que faça a nossa vida dar certo, que autentique um projeto de vida boa. Não estamos preocupados com uma mudança radical de vida, olhando a nossa existência do ponto de vista de Deus.
Tratar a vida espiritual achando que a coisa deve funcionar como um remédio é fácil – é só tomar que faz efeito. Tome a água abençoada, ou ponha o lenço na cabeça, e Deus vai fazer a coisa dar certo.
Esquecemos que Deus nos deu o atributo chamado liberdade, para que muita coisa dependa de nós também. Por isso, precisamos pedir-lhe sabedoria para agir corretamente.
De nada adiantará você colocar um adesivo no carro com os dizeres “Propriedade de Jesus”, se for imprudente ao volante. De nada vale fazer jejum pedindo um emprego para Deus, se você é preguiçoso, incompetente ou trata mal o chefe e os colegas de trabalho. Talvez sejam esses os motivos por que esteja desempregado.
Em vez de alimentarmos crendices e transferirmos nossa responsabilidade para objetos “sagrados”, vamos assumir o risco de construir nossa história com dignidade, pedindo sabedoria a Deus e buscando os referenciais seguros em sua Palavra, para que nossas decisões sigam o caminho da prudência.
No que não depender de nós, vamos confiar que Deus cuidará. Vamos crer também em milagres, mas no momento e do jeito que o Senhor quiser fazê-los.
- Autor: Lourenço Stelio Rega, teólogo, educador e escritor.
Fonte: Eclésia, Edição 104.
Nota do Editor do IASD Em Foco:
Muito oportuno e equilibrado o artigo do Pastor Lourenço Stelio Rega. Particularmente, tenho batido muito nesta tecla com os membros das igrejas onde tenho trabalhado; muitas pessoas, substituem a fé viva – fundamentada num relacionamento de comunhão com o Senhor Jesus – por meras crendices e frases de efeito do tipo “o sangue de Jesus tem poder!”
Um exemplo clássico desse tipo de atitude – como apresento numa das centenas de mensagens à Igreja – é demonstrada na Bíblia pelos “filhos de Ceva”. Paulo estava em Éfeso. A Bíblia conta que “Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários, a ponto de levarem aos enfermos lenços e aventais de seu uso pessoal, diante dos quais as enfermidades fugiam das suas vítimas e os espíritos malignos se retiravam” (Atos 19:11-12).
Certo dia, estavam no auditório sete rapazes – filhos de um judeu chamado Ceva – que, notaram e acharam bonito, quando Paulo falava a algum pobre enfermo e dizia: “Em nome de Jesus Cristo de Nazaré, sê curado” – e imediatamente essa pessoa ficava curada. Ao verem isso, eles pensaram que devia algum poder mágico nas palavras de Paulo e decidiram verificar se essa “fórmula mágica”iria funcionar, também, com eles.
Foi quando apareceu um homem dominado por um espírito maligno e, cheio de si, um deles gritou para o espírito maligno: “Eu te esconjuro por Jesus a quem Paulo prega” (Atos 19:13). E, em conjunto, todos eles ordenaram para que o espírito saísse.
Nada aconteceu! Pelo menos daquilo que eles esperavam. Ao contrário, diz a Bíblia: “o espírito maligno lhes respondeu: Conheço a Jesus e sei quem é Paulo; mas vós, quem sois?” (Atos 19:15).
Em seguida, o endemoninhado saltou sobre eles, “subjugando a todos” (Atos 19:16), rasgando-lhes as vestes e dando-lhes um surra. Os sete rapazes apanharam feio e, diz a Bíblia, tiveram que fugir apavorados – nus e feridos.
Naquele dia, aprenderam uma lição que todos os cristãos – em especial, os meros crentes – deveriam aprender: Nunca deveriam usar o nome do Senhor Jesus como se ele fosse um talismã, amuleto ou palavra mágica!
Aliás, não existe nenhuma garantia de vitória neste nome para aquele que não esteja ligado intimamente à Pessoa a Quem este Nome representa! Prova disso é que o diabo temia (e teme) a Jesus, respeitava a Paulo, mas não tinha nem um pouquinho de medo dos sete filhos de Ceva.
Cristão “postiço”, de fachada, nem o diabo respeita!
 
Fonte: A Bíblia e a Ciência

Murmurar: A atitude do Cristão sem Cristo

 
 
 
INTRODUÇÃO: Texto bíblico: Lucas 15:25-32
1. Esse texto é o clímax do sermão de Jesus em forma de parábola diante da murmuração dos fariseus e escribas que O acusavam de receber publicanos e pecadores (Lucas 15:1-2).
2. Esse texto em forma de parábola faz parte dos argumentos de Jesus a fim de explicar Sua ação para com os pecadores. Para isso, Ele usou:
· A parábola de alguém que reencontrou sua ovelha perdida (Lucas 15:3-7).
· A parábola de uma mulher que reencontrou a moeda extraviada (15:8-10).
· A parábola de um pai que recebeu com amor o filho perdido quando este voltou para casa (15:11-24) e de como tratou com amor o filho mais velho que murmurava por causa da atitude do pai (15:25-32).
3. Esse texto em forma de parábola alude a uma relação entre pai e filho para ilustrar a relação entre Deus e os seres humanos; o qual visa contrastar a alegria de Deus pelo pecador arrependido com a murmuração sem amor dos cristãos sem Cristo.

I. QUEM ANDA MURMURANDO ESTÁ PERDIDO DENTRO DA CASA DO PAI, A IGREJA – Lucas 15: 25-30
1. Nem todos os que estão na igreja, ativos e empenhados no trabalho, são convertidos: O irmão mais velho, na parábola simboliza o fariseu e o publicano que murmuravam diante do amor e misericórdia de Jesus que não entraram na festa da salvação.
2. Nem todos os que estão na igreja concordam com Deus: O filho mais velho discordou da maneira do Pai agir e lidar com o filho mais novo. Muitos cristãos são como o filho mais velho: crêem que suas atitudes são mais justas que as de Deus. Estão tão insatisfeitos e perdidos quanto quem está no mundo.
3. Nem todos os que estão na igreja tratam as pessoas como Deus gostaria que fossem tratadas: O filho mais velho tratou com frieza, crítica e desprezo ao seu irmão que voltou para casa. Assim, o princípio de vida é que nem toda pessoa que une à igreja física faz parte do corpo de Cristo.

II. QUEM ANDA MURMURANDO SE ENTRISTECE COM O QUE TRAZ ALEGRIA AO CORAÇÃO DE DEUS – Lucas 15:25, 28-32
1. O que era motivo de alegria do pai é motivo de tristeza ao murmurador: Enquanto o pai esperava o retorno do filho mais novo, o filho mais velho estava envolvido com outras atividades secundárias ao invés de estar ao lado do pai esperando pelo pródigo.
2. O que era motivo de alegria do pai incita o ciúme, a inveja e a tristeza em quem está na igreja com objetivo errado: Enquanto o pai promovia uma festa pelo retorno do filho mais novo que havia se perdido e fora achado, o filho mais velho indignou-se com o filho mais novo e a atitude do pai. A igreja é lugar de acolher o pecador não de chutá-lo para fora.
3. O que traz alegria ao coração de Deus entristece quem está na igreja com um coração legalista: O legalista tem prazer em criticar e apontar o erro dos outros e em promover sua obediência e justiça própria. O legalista não ama, não perdoa e não tem compaixão pelas pessoas como Deus tem. Se o legalista fosse para o Céu veria defeito até no próprio Deus.

III. QUEM ANDA MURMURANDO NÃO VÊ AS PESSOAS COMO DEUS VÊ – Lucas 15:30-32
1. Quem não tem compaixão no coração pensa que Deus tem de castigar as pessoas quando procuram pelo perdão: O filho mais velho argumenta com o Pai que o pródigo não merecia aquela festa, mas ele próprio merecia. Segundo ele, o irmão deveria ser castigado, rejeitado e humilhado por ter gasto o dinheiro com prostitutas.
2. Quem não tem misericórdia no coração deseja a misericórdia de Deus apenas para si mesmo e nunca para os outros: Tem cristãos que quer somente para si o amor de Deus, desejando para os outros apenas a justiça de Deus.
3. Quem não tem amor no coração não compreende o infinito amor do pai em compartilhar tudo o que tem: Jesus é a dádiva de Deus. Ele morreu por todos a fim de oferecer-lhes o Céu. Porém muitos cristãos perderão o Céu porque focaram apenas num cabrito para festejar com seus amigos e não no amor do Pai pelos pecadores.

CONCLUSÃO:
1. O cristão que anda murmurando deveria arrepender-se, humilhar-se e deixar de ver a vida e a Deus com os olhos cheios de indignação, ciúme, inveja, ira, amargura, arrogância e orgulho.
2. O cristão que anda murmurando deveria parar de brigar por um cabrito (um cargo, uma bênção, um reconhecimento, etc.) a ponto de perder a festa da salvação no reino dos Céus. A murmuração revela um coração ingrato!
3. Quem anda murmurando deveria ter mais comunhão com Deus e com os outros a fim de encontrar prazer naquilo que agrada a Deus. Como o filho mais velho, quem se envolve com tantas outras coisas não tem prazer na comunhão com o Pai e nem com o irmão.

APELO:
1. Sinta o amor de Deus ao chamar-te de filho.
2. Sinta a presença de Deus submetendo-se com humildade à Sua autoridade.
3. Sinta, como filho, que tudo o que é de Deus é teu também
 
Fonte:Portal Bíblico

Os perigos do queijo


Queijo nunca deve ser introduzido no estômago. É totalmente impróprio como alimento. Alimentos cárneos, manteiga, queijo, pastéis e c
ondimentos são usados livremente por velhos e jovens. Esses artigos alimentares perturbam o estômago, excitam os nervos e enfraquecem a mente”. Conselhos Sobre Regime Alimentar, pg. 368 e 369


O queijo produzido com leite de cabra ou de jumenta é um alimento com alto índice de proteínas, minerais e oligoelementos que fazem desta deliciosa especiaria uma rica fonte de vitaminas (A, B2, B9, B12 e D), além de proteínas, cálcio, lipídios e oligoelementos. Os queijos são também importantes fontes de zinco, iodo, selênio, potássio e fósforo. Por que os queijos são prejudiciais à saúde?


Dentre os laticínios, o queijo de leite de vaca é um dos alimentos que em quase nada beneficia o organismo humano. Quando no estômago, este alimento se transforma em plástico gorduroso. Na tentativa de diluir o queijo, as glândulas do estômago injetam maior quantidade de ácido clorídrico, sem conseguir dissolve-lo. Ao atingir o duodeno, o queijo obriga este órgão pedir ajuda ao pâncreas que envia maior quantidade de suco pancreático visando quebrar a gordura encontrada nesse alimento. Não conseguindo realizar o trabalho da quebra das gorduras do queijo o duodeno remete este ao intestino delgado para a absorção de possíveis nutrientes.


O intestino delgado, por sua vez, reconhece o queijo como um lixo orgânico extraindo deste apenas a gordura que é enviada ao fígado para suprir a corrente linfática. Ao cair na circulação linfática, a gordura do queijo é reconhecida pelo sistema imunológico como um material estranho, ou seja, uma ameaça ao organismo. Então, os linfócitos T entram em ação para verificar se existe alguma ameaça. Ao infiltrar-se na gordura plástica para fazer inspeção, as células T ficam grudadas, sem conseguir se libertar, e terminam morrendo presa à viscosidade, contribuindo para o enfraquecimento do sistema imunológico.


Há pessoas que dispõem de um sistema imunológico forte a ponto de proteger o organismo acumulando a gordura plástica do queijo na pele, em alguma parte do corpo, formando tumores de gorduras localizadas que recebem a denominação de “lipomas”. Uma vez atingindo os rins, a gordura plástica do queijo se calcifica formando cálculos renais. Caso atinja a vesícula biliar, gera cálculos biliares. Os queijos fortes e velhos são mais prejudiciais à saúde por provocarem acidez estomacal, azia, queimação e flatulência. E, por prenderem os intestinos, causam prisão de ventre e enxaqueca.


Enfim, o queijo de leite de vaca é um concentrado de bactérias e tem uma substância denominada “tiramina” que, além de causar enxaqueca ou fortes dores de cabeça, produz infecção urinária, ácido úrico, cálculos na vesícula e nos rins; também, assassina os linfócitos T, tornando o sistema imunológico debilitado e o organismo predisposto a câncer linfático e de cólon, além de outras doenças degenerativas.


Segundo pesquisa do doutor J.H.Kellogg, um grama de queijo novo, recém-fabricado, contém 140 mil bactérias. Um queijo de 25 dias de fabricado tem 1,2 milhões de bactérias por grama. Um queijo de 45 dias de fabricado chega a ter mais de 2 milhões de bactérias por grama. Por outro lado, as indústrias utilizam coalho de estômago de porco na produção de queijos.


Fonte:
Terapeuta Natural